24 de julho de 2011

Quando as pessoas mudam (parte 1)


Eu me lembro quando eu era criança, de minha mãe ser carinhosa, mas também muito nervosa. Quando eu e minha irmã não fazíamos as coisas do jeito dela, ela batia muito em nós duas, mais em mim que era mais velha (idade 9 e 7).
Teve um episódio em que minha mãe me bateu porque (eu tinha mais ou menos 10 anos) não queria calçar os chinelos. Mas não foi simplesmente uma chinelada que ela me deu, como eu tinha corrido, ela tacou um cabo de vassoura que tinha prego na minha cabeça, que furou e começou a sair sangue. Foi quando ela percebeu a besteira que tinha feito. Ela ficou nervosa e começou a chorar,  lavar minha cabeça e colocar vinagre. Em outro episódio nós morávamos numa vila, minha mãe recebeu uma amiga que levou sua filha, essa menina pegou o pão que estava comendo e esfarelou na escada da vizinha. Nesse dia houve uma discussão entre minha mãe e a vizinha, que não gostou de sua escada estar toda suja. E no final da briga pra quem sobrou? Eu que era mais velha. Nesse dia minha mãe me colocou no banheiro e me bateu com uma correia debaixo do chuveiro, se não fosse à vizinha me socorrer estaria morta ou mais machucada. Hoje em dia se acontecesse isso era só denunciar no Conselho Tutelar, pois existe o Estatuto da Criança e do Adolescente, e minha mãe seria presa.
Mesmo assim sempre tive amor pela minha mãe, mas só fui ter amizade mesmo e sair com ela na adolescência. Hoje nós somos as melhores amigas uma da outra, nos ligamos o tempo todo e ficamos conversando horas. Quando nos encontramos são muitos beijos e abraços, lógico que às vezes brigamos, mas sempre terminamos fazendo as pazes e pedindo desculpas uma para a outra.


13 de julho de 2011

Será que tenho leite suficiente?

Quando tive o Felipe não tinha conhecimento nenhum engravidei e casei.Não havia a facilidade da internet e nem muitos livros e revista que hoje tem,então ia pelos conselhos da minha mãe.Nos primeiros meses de vida do Felipinho minha mãe falava que eu não tinha leite ou era muito ralo mesmo assim continuei a dar peito,mas um dia tive que sair deixei Felipe com minha mãe,quando saia deixava leite artificial pois não conseguia tirar uma boa quantidade de leite do peito mais deixava numa mamadeira com o bico bem fininho assim teria que fazer força do mesmo jeito que faz ao mamar no peito.Minha mãe achou que ele não estava sugando e abriu o bico da mamadeira,quando cheguei em casa Felipe não queria mais mamar no meu peito fiquei muito mal,pois além de ser saudável p/ o bebê era uma sensação muito boa.Olha que minha mãe teve 3 filhos.Como estou me preparando p/ter outro filho encotrei uma matéria muito esclarecedora.

Uma neura comum entre as mães a incerteza de que seu leite seja suficiente para sustentar o bebê."E,quando surge a duvida,por falta de conhecimento,muitas acabam usando alimentos complementares antes do sexto mês desnecessariamente".Um dos motivos que faz a mulher pensar que o leite fraco,é o fato de sua aparência e quantidade mudarem conforme a fase da amamentação.Nos primeiros dias a mãe produz o colostro,que tem uma aparência rala e desce em pequena quantidade.Mas não se engane.O colostro é rico em proteínas,sais minerais e anticorpos,funcionando como uma vacina que protege a criança contra infecções.Outra coisa que muitas mães ignoram:aquele leite ralo do início das mamadas fica mais gorduroso no final.

Ele vive faminto

Não se impressione:o recém-nascido mama em media 12 vezes ao dia e isso não significa que seu leite seja
insuficiente ou fraco.No segundo mês,o ritmo cai para 10 vezes;do terceiro ao quinto mês,para 8;após os seis meses,fica em 4 ou 5 vezes ao dia. Um recém-nascido de 3 quilos,por exemplo,consome em média 300mililitros de leite por dia.Para manter essa produção,a mãe deve oferecer o peito sempre que ele quiser até o sexto mês,inclusive durante a noite.O importante deixar a criança esgotar um seio e, depois,oferecer o outro.Na mamada seguinte, comece oferecendo o seio sugado por último na vez anterior. Outro assunto muito importante: as criança costumam com uma só posição ou um só peito,direito ou esquerdo. Minha comadre sofre até hoje por não ter tido informação,ela só deu um dos peito, porque Juninho só queria pegar o peito esquerdo.O peito dela ficou um maior que outro,hoje só usa blusas largas e não usa mais biquínes nem roupas justas.
A partir do segundo mês bebê encontra um ritmo próprio, intervalos mais determinados.Para manter o estoque,beba muita água e descanse.Seu estado emocional também é importante,pois o excesso de ansiedade faz o cérebro liberar noradrelina,que interfere nos hormônios produtores de leite.Mas o que melhor garante a boa produção é a sucção.As glândulas mamarias trabalham por estimulação e quanto mais a criança mamar,mais leite será produzido.

6 de julho de 2011

O que fazer quando relógio biológico do nosso corpo, pede para ter filhos?

Por que a mulher fica tão triste quando não pode ter filhos? É uma angústia tão grande que bate um desespero. Tem uma musica da Fernanda Brum que fala dessa aflição "Dá- me filhos, dá- me filhos,dá-me filhos, se não morro".
Outro dia estava vendo programa A liga que falava sobre A origem da vida que mostrou histórias reais de mães e pais que querem ter filhos e a superação e todo os desafios na criação de seus filhos etc.Havia um casal que estava fazendo tratamento para engravidar,o reporte Thaíde acompanhou um casal,que ia fazer transferências de embriões e depois iam esperar 15 a 20 dias para saber se tinha engravidado, esse período de espera foi muito angustiante. Era um casal que não era rico mas fez uma economia para fazer o tratamento em fertilização in vitro que custa entorno 4.000 a 12.000 mil reais no final da matéria a mulher ficou muito nervosa até a notícia, se estava gravida ou não, foi uma choradeira que teve fim quando o médico falou que ela não estava gravida, foi um desespero mas logo depois se acalmou e falou que ia tentar de novo.


Que desejo esse de ser mãe tão grande, que não nos deixa pensar em mais nada, só em ser MÃE. Não estamos nem ai se vai ser parto normal, natural ou cesária só queremos que venha com saúde. E nesse momento de ansiedade pensamos muita besteira resta pedirmos muito a DEUS que nos de muita calma, paciência e amor nessa hora.

SOPHIA ALICE

E-familynet.com Ticker

Seguir por e-mail